Website oficial do Município de Pato Branco

Notícia

Prefeitura leva qualidade de vida a agricultoras de Pato Branco

Projeto Mulheres Rurais foi ampliado e conta com aulas de ginástica e cursos de artesanato

A Prefeitura de Pato Branco ampliou as ações pela autoestima e qualidade de vida das mulheres do campo. Agora, além dos cursos de artesanato, aulas de ginástica também atendem as localidades do interior e oferecem uma nova perspectiva a mulheres de diversas faixas etárias. Atualmente, são cerca de 280 agricultoras atendidas pela Secretaria de Agricultura, que está levando o Projeto Mulheres Rurais a onze comunidades.

Neste ano, o Município destinou R$ 53.195,81 para realização das atividades, atendendo a demanda apresentada pelas agricultoras. “Temos compromisso com a agricultura, pelo desenvolvimento do campo. Isso vai além de obras pela infraestrutura, compete também o bem-estar das famílias. Por isso, oportunizamos essa condição pela qualificação e prevenção à saúde das mulheres do campo”, pondera o prefeito de Pato Branco, Augustinho Zucchi.

As aulas de ginástica ocorrem nas comunidades de São Pedro de Alcântara, Nossa Senhora do Carmo, Sede Dom Carlos, Sede Gavião, Passo da Ilha, São João Batista, Independência e Bela Vista. Em algumas localidades, a novidade está atraindo não apenas as mulheres, público- alvo da iniciativa, mas também os maridos. “Está havendo a participação das famílias, pois ao levarem para casa o que aprendem nos cursos, as agricultoras acabam incentivando os maridos e os filhos. A união familiar é consequência da qualidade de vida propiciada pelo programa, que reconhece a contribuição das mulheres na agricultura familiar”, ressalta o secretário de Agricultura de Pato Branco, Clodomir Ascari.

Foi por recomendações médicas que a agricultora de Sede Gavião, Otilia Caprini, começou a praticar exercícios físicos aos 65 anos. Segundo ela, o médico já observou melhorias na saúde da idosa, que está empolgada com as aulas. “Eu estou emagrecendo, não gosto de perder nenhuma terça-feira, é muito legal. O médico me mandou fazer as aulas, para tirar os meus remédios. Ele viu a diferença, disse que o meu coração está ficando muito bom, vou durar muitos anos ainda”, conta.

Para Vera Lucia Debastiani, 46 anos, moradora de Sede Gavião, os encontros se tornaram momentos aguardados, pelo cuidado e prevenção à saúde. “Em casa, fazemos o exercício de vassoura, do rodo. Aqui é diferente, a gente se exercita de forma correta. Eu não era acostumada a fazer esses alongamentos e cada vez mais me sinto melhor. Estou gostando bastante”, frisa.

“Nunca é tarde para aprender coisas novas e participar”, garante Maria Leiria dos Santos, 69 anos, de Rio Gavião. Ela conta que espera ansiosa pelas terças-feiras, dias em que frequenta as aulas de ginástica. “Ficar só em casa não tem graça. A gente vem aqui e fica mais disposta. Parece que a gente dorme mais relaxada”, diz.

Artesanato

Em Quebra Freio, as agricultoras estão recebendo um curso de pintura em vidro e caixas de madeira. Além de novidade, o artesanato está dando vida a materiais que iriam para o lixo, como é o caso de fracos, potes e garrafas de vidro, que agora viraram objetos de decoração. “Aprendemos a utilizar coisas que vão embelezar a nossa casa. Esses cursos tiram a gente um pouco da cozinha, do dia a dia, para nos encontrarmos aqui e fazermos coisas diferentes. Chegamos no final do dia com novas ideias”, comenta Salete Bertoldo Piovesan, 51 anos.

Nesta fase, cada curso de artesanato refere-se a técnicas de ponto russo, bordado em fita, pintura em tecido, pet colagem, pintura em caixa e vidro, bordado em chinelo e flores em seda. Recebem os cursos de artesanato, atualmente, as comunidades Sede Gavião, Bela Vista, Sede Dom Carlos, São Miguel Cachoeirinha, Linha Soares, Quebra Freio, Linha Martinelo, Nossa Senhora do Carmo, São João Batista, Linha Damasceno e Passo da Pedra.

A coordenadora do Projeto Mulheres Rurais, Vanessa Casiraghi Zanon, explica que o cronograma ocorrerá de forma permanente no decorrer deste ano, atendendo a demanda de cada grupo de mulheres. “Os cursos de trabalhos manuais, bem como a ginástica, representam a valorização das mulheres agricultoras. A participação reflete na autoestima e na qualidade de vida, pois elas passam a ser vistas com outros olhos pela comunidade e suas famílias. Elas mostram que além de excelentes donas de casa, esposas e mães, são mulheres em busca de aprendizado e que podem colaborar financeiramente em casa”, ressalta.

O projeto Mulheres Rurais é realizado pela Secretaria Municipal de Agricultura, em parceria com a Associação de Mulheres Rurais, com apoio da Secretaria de Esporte, Lazer, Juventude e Idoso, Sindicato Rural, Sindicato dos Trabalhadores Rurais e Senar.

Mais cursos

Há, ainda, cursos de transformação de alimentos ofertados em parceria com o Senar, com cronograma desenvolvido durante todo o ano. Nessas capacitações, as agricultoras incrementam a culinária do dia a dia com derivados de leite, soja, mandioca e pescado, em que aprendem também técnicas panificação.

 

 

 

 

 

FAÇA UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Ainda não existem comentários